Colunas


Parque das Acácias: leitor volta a denunciar situação de lote



Um leitor detalhou a ?via crucis? que estaria enfrentando diante da demora em se resolver a situação de um lote abandonado no bairro Parque das Acácias (zona oeste). ?Mais uma vez, recorro ao Jornal CORREIO para tentar resolver a situação que venho enfrentando com nossa administração municipal. No dia 27/09/2018, consegui falar com a Ouvidoria, com o Funcionário Daniel, que pediu para que eu enviasse as fotos dos lotes que ficam ao lado do prédio onde tenho um apto, na rua Maria da Conceição Cipriano Tavares, 395, bairro Parque das Acácias. Fiz no dia 28/09/2018 e recebi uma resposta do senhor Holf Ferraz, dizendo que iria tomar as providências. Falei na Secretaria de meio ambiente, onde me informaram o número do protocolo (1632/2018) e me disseram que estava nas mãos do fiscal Marcelo, mas que demandava tempo. No dia 08/11/18, enviei mais um e-mail para a Ouvidoria, porém, não obtive resposta.
Eu gostaria de pedir a vocês, se possível fosse, para encaminhar meu e-mail para o secretário de Meio Ambiente e também da Secretaria de Obras e ao setor de Controle de Zoonoses e Pragas, pois a mata está crescendo e, com as chuvas, o risco de proliferação de mosquitos aumenta muito. O que mais me deixa indignado é que, muito antes de 27/09, data do meu primeiro contato com a Ouvidoria, eu já tinha conversado com a senhora Patrícia, da Secretaria de Meio Ambiente, que me disse que todos os pro­prietários de terrenos do bairro Parque das Acácias já tinham sido notificados e o prazo para se fazer a limpeza, passeio e fechamento dos lotes, já estava correndo.
Sim, os proprietários dos lotes sujos do bairro Parque das Acácias não só receberam, como limparam os lotes (só que hoje o mato já cresceu). Aí eu pergunto: Por que somente esses dois lotes ficaram sujos? Os proprietários foram notificados? Foram multados? A verdade é que a ideia da prefeitura de fazer a limpeza foi muito boa, mas parece que, para alguns poucos proprietários, pouco importa a lei?, desabafa.


Escrito por Denúncia, no dia 13/12/2018