Cultura


Queima do Alho resgata tradição e fomenta a economia em Lafaiete

Evento relembra o momento de descanso dos tropeiros que era regado a muita comida e roda de violas


Uma tradição de mais de 150 anos vem sido mantida em nossa região graças a um grupo de 23 amigos, que promove a Queima do Alho. A edição deste ano será nos dias 14 e 15 de setembro, a partir das 11h, na fazenda da Divisa, situada no km 2, na MG 844, sentido Queluzito. No evento, os organizadores tentam reviver, como era feito pelos tropeiros naquela época, a comida típica e farta, a recepção de comitivas e as rodas de violas.
O empresário Edson Oliveira Rezende é quem explica a origem do nome da festa: “Os tropeiros eram encarregados de encaminhar os ga­dos para o porto, para embarque para a Europa, e nas paradas, faziam as comidas que eram possíveis na épo­ca, porque não tinha como armazenar. O forte nessa comida era o alho e quando cozinhavam o cheiro se estendia pelo ambiente e assim ficou conhecido como a Queima do Alho”.
A tradição hoje é reproduzida em várias partes do Brasil e aqui em nossa região os organizadores tentam reviver aquele momento como era feito pelos tropeiros: “O principal da festa é a comilança, ou seja, comida típica e farta. Então, os pontos altos são a recepção das comitivas, almoço típico e shows de violas. Retratamos isso em um ambiente bastante semelhante ao do passado”, conta Edson.
Movimentação
na economia

Mesmo sem ter um número exato sobre como a festa movimenta a economia, os organizadores acreditam que a Queima do Alho traz benefícios para a cidade: “Não temos uma coisa muito concreta sobre a movimentação da economia, porque não imaginávamos que festa tomaria essa proporção. Mas só de pessoas que trabalham na festa nestes dois dias são mais de 60; é geração de empregos, mesmo que temporários. Na parte hoteleira também, porque vem muita gente de fora e se hospeda em Lafaiete. O comércio também lucra, principalmente, quem vende roupa country, chapéus’, pontua Edson.
Esta é a 5ª vez que o grupo de amigos promove a Queima do Alho em nossa região: “A primeira foi no dia 14 de novembro de 2015 e, na época, 10 cidades participaram. A festa foi crescendo e temos hoje 20 cidades: Itaverava, Lamim, Ouro Branco, Congonhas, São Brás do Suaçuí, Jeceaba, Entre Rios de Minas, Ca­randaí, Ressaquinha, Barbacena, Alfredo Vasconcelos, Caranaíba, Casa Grande, Santana dos Montes, Que­luzito, Cristiano Otoni, Catas Altas, Resende Costa, Lagoa Dourada e Lafaiete”, conta.

Serviço

Como a festa é em propriedade
particular e o número de pessoas
é restrito, os convites são limitados.

Mais informações pelo telefone: 99848-7682 (Simone)




Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Redação, no dia 09/09/2019


Comente esta Notícia