Região


Lamim abre nova série de caminhadas para o grupo Andarilhos Queluzianos



O primeiro compromisso da agenda dos Andarilhos Queluzianos já foi cumprido. No sábado, 19 de janeiro, o grupo cruzou os 14km entre Lamim e a localidade de Pau Grande. Os caminhantes fizeram todo o percurso por uma estrada de terra, em uma excelente oportunidade para apreciar a flora e a fauna locais. Ao fim da jornada, os An­darilhos foram recepcionados no Bar Zé do Dedé, em frente à ponte do Rio Piranga, com uma deliciosa comida mineira, tira-gostos caprichados e, como não poderia deixar de ser, aquela cervejinha gelada. Para conter o calor, também houve quem optou por se refrescar na piscina. Depois de muita conversa e da celebração da amizade, o grupo retornou a Lafaiete, já planejando seu novo desafio.
Lamim possui cerca de 3.500 habitantes e faz limite com Senhora de Oliveira, Rio Espera, Santana dos Montes, Catas Altas da Noruega, Itaverava e Piranga. A cidade surgiu durante o auge da mineração e seu nome faz homenagem a um dos três portugueses que vieram para a região em busca de riquezas: Pedro José da Rosa, Francisco Souza Rego e José Pires Lamim eram naturais da Ilha de São Miguel, localizada no arquipélago dos Açores.
Entre as belezas da cidade estão seu casario, que retrata um período mágico de sua colonização. A cidade é um desses locais de Minas Gerais onde fé, culinária e a história marcam o tempo, despertam curiosidades e atraem visitantes. Fundado por portugueses em 1710, o município mantém vivas tradições vindas da região dos Açores. A festa do Divino Espírito Santo e as demais manifestações religiosas são marcas dessa cultura de origem portuguesa. Fazendas setecentistas imponentes, nascidas durante o ciclo do Ouro, são vistas nos quatro cantos do município. Vale a pena conhecer.




Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Redação, no dia 24/01/2019


Veja também



Comente esta Notícia