Cultura


Resgatada do esquecimento, Casa do Artesanato é reaberta após restauro



Edificado em estilo neoclássico francês, o antigo Solar dos Furtado e Amaral marca a influência da arquitetura do século XX. Com uma beleza nascida da simplicidade, a construção em cimento, massa coberta e telhas curvas foi sempre uma das mais marcantes da tradicional praça Tiradentes. As janelas em madeira, de duas bandeiras, com vidraças em estilo guilhotina, também foram o refúgio jornalista e advogado Castilho de Lisboa. Um belo jardim e uma edícula completavam o retrato de um espaço tombado pelo patrimônio histórico e que, desde 1998, tornou-se ponto de encontro de artistas lafaietenses, ao abrigar a Casa de Artesanato João Salgado. Mas tudo isso esteve a um passo de se perder. Castigada pelo tempo, a construção foi restaurada e, desde o dia 9 dezembro, foi devolvida à comunidade.

 

O processo de restauro, no entanto, não foi assim tão simples, conforme relata o secretário de Cultura, Geraldo Lafayette: "Em um projeto da gestão passada, e uma emenda parlamentar do então deputado federal Leonardo Quintão, a cidade conseguiu o recurso para o restauro. Mas esse recurso ficou na Caixa Econômica Federal até se perder. No início de 2017, fomos a Brasília e conseguimos reaver o dinheiro, mas tivemos que refazer o projeto arquitetônico, o que demandou um longo tempo. A obra, que deveria demorar 3 meses, acabou levando 1 ano, devido ao estado em que a casa já se encontrava: a edícula já havia caído e o telhado estava comprometido. Foi preciso fazer várias adequações no projeto e muitas modificações na planilha. Foram refeitos o telhado, o piso, a edícula e o jardim", lista.

 




Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Redação, no dia 15/12/2018


Comente esta Notícia