Opinião


Os desafios da maternidade com Letícia Lorrayne



Ser mãe não é fácil e requer muito esforço, amor e dedicação.  Pensando nisso, a partir desta semana, o Jornal CORREIO e o Correio Online irá disponibilizar para seus internautas e leitores, a coluna  Desafios da Maternidade, um espaço totalmente voltado para as mamães.Quem participa desta coluna é a estudante de farmácia e mamãe de primeira viagem, Letícia Lorrayne de Carvalho Souza. Neste espaço, Letícia irá compartilhar suas experiências, os desafios e as delícias de ser mãe. Confira.

Sou Letícia Lorrayne, mamãe de primeira viagem e estou aprendendo a cada dia um pouco sobre a maternidade. Conciliar todas as tarefas com um bebê parece difícil, mas sempre mantive a calma e no final das contas tudo deu certo.    

  Vejo a maternidade como uma caixinha de surpresas. Não vem com manual de instruções, mas aprendemos a lidar com ela vencendo os desafios de cada fase. Ninguém nasce sabendo  ser mãe. Lidar com os primeiros dias de vida de um bebê totalmente dependente de você pode ser desesperador. Euforia, emoção, amor, cansaço, sentimentos a flor da pele: prazer, puerpério! Toda pressão em volta, descarga de hormônios, enfrentar o desafio da amamentação, o abdômen que ainda permanece inchado e os palpiteiros de plantão.  Calma! Eu te garanto que vai passar.

    Quando um dia amanhece com muita neblina é porque será um dia lindo. A neblina que vem antes do sol e do céu azul. A maternidade é assim, a neblina representa os dias difíceis, onde parece que 24 horas são eternas com um recém-nascido em casa. O céu azul demonstra que os dias melhores virão. E assim fui aprendendo a lidar com tanta mudança na minha vida depois que meu filho nasceu. Engravidei do Heitor, que hoje tem um ano, aos 19 anos no auge da minha vida, cheia de planos e sonhos em mente, como qualquer outra pessoa. No primeiro momento ao ver duas listras no meu teste de gravidez, pensei que tudo iria mudar. E realmente mudou, mas pra melhor. Ouvi várias frases clichês como "você acabou com a sua vida!"; concordo, renasci e me reencontrei. Filho cutuca bem lá no fundo da alma e a pergunta é: quem deu a vida a quem?

    E a partir daí, você não para de aprender. São as cólicas, os primeiros dentes apontando, é a febre que aparece do nada, introdução alimentar, regressão do sono, pirraça, desfralde; e o mais difícil: educar. Porque é aí que vem o sentimento de culpa. E isso NÃO pode acontecer. Uma vez liguei pra minha mãe desesperada porque meu filho fez pirraça no shopping. A primeira coisa que eu disse a ela foi: "o que eu fiz de errado? Será que eu não sei educar meu filho?" e ai veio o pensamento de "não sei ser mãe". E minha mãe, extremamente sábia me disse o que eu precisava ouvir em pequenas palavras: - Fique calma, respire fundo e tenha certeza que vai passar.

E assim descrevo a maternidade.

Hoje posso dizer que tenho orgulho da pessoa que sou. Da mulher forte que me encontrei, da boa filha que me tornei, da estudante que virei. Simplesmente RENASCI!


Autora: Letícia Lorrayne de Carvalho Souza

 





Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Redação, no dia 18/11/2018


Veja também



Comente esta Notícia