Quinta, 16 de Julho de 2020
Nayara Costa


Neste dia internacional de combate às drogas, conscientize-se sobre o uso indevido de medicamentos



 

O dia 26 de junho é dedicado às campanhas nacionais e internacionais de conscientização e, principalmente, de combate ao uso de drogas ilícitas. Entretanto, todo mundo pensa que o conceito droga está relacionado às substâncias como maconha, cocaína, crack e outras que, rotineiramente, ouvimos nos noticiários. Porém, as drogas ilícitas também podem estar relacionadas aos medicamentos, bem como seu uso indevido. Na coluna de hoje, abro espaço para uma questão de responsabilidade social: o uso exagerado acarretado pelo vício em medicamentos e suas consequências para a saúde.

No ano de 2013, um relatório emitido pela Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (Jife*) já alertava que o uso abusivo de medicamentos se intensificava em todo o mundo, superando a taxa de consumo de drogas ilícitas.  E esse aumento se intensificou com o passar dos anos, tendo como principal causa, a ampla disponibilidade desses medicamentos, além das percepções errôneas de que medicamentos são menos suscetíveis ao abuso do que drogas ilícitas.

O problema se agrava cada vez mais com a automedicação, ou seja, o uso de medicamentos sem a prescrição devida de um profissional de saúde capacitado para tal ação.  Isso pode acarretar no uso exagerado, podendo levar, até mesmo, ao desenvolvimento de um vício.

Drogas lícitas

Alguns medicamentos são considerados “drogas lícitas”, ou seja, são medicamentos de venda liberada, desde que haja prescrição médica e que, se usados em grandes quantidades, causam dependência. Dentre estes medicamentos que são vendidos sem esse controle de prescrição destacam-se:

- Anabolizantes (as famosas bombas): medicamentos com alta dose de hormônios concentrados, utilizados com o objetivo de aumentar a massa muscular;

- Descongestionantes nasais: remédios utilizados apenas com o fim de desobstruir o nariz, aparentemente não oferecem nenhum risco, mas podem causar dependência e até mesmo crises de abstinência;

- Benzodiazepínicos: são medicamentos tranquilizantes, utilizados para induzir ao sono ou para reduzir a ansiedade e o nervosismo;

- Anorexígenos: medicamentos utilizados para reduzir o apetite.

Estes tipos de medicamentos, apesar de só serem vendidos sob prescrição médica e de apenas alguns laboratórios terem a licença para produzi-los, são comercializados por muitos farmacêuticos e médicos, que não tomam qualquer cuidado com a situação da pessoa que fará uso. Por isso é muito importante fazer uso de medicação apenas quando e como for prescrita pelos profissionais de saúde.

O uso indevido é uma questão de saúde pública que preocupa o governo e os órgãos reguladores. É essencial o entendimento aprofundado do funcionamento destes fármacos, assim como o maior controle sobre sua distribuição a fim de se evitar que mais danos sejam causados à população pela introdução de novas drogas de abuso no mercado.

Espero que tenham gostado, um abraço e até a próxima semana.

*A Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (Jife) é um órgão de fiscalização independente para a implementação das Convenções Internacionais das Nações Unidas de controle de drogas. 



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Nayara Costa, no dia 26/06/2020

Nayara Carvalho Costa Matos


Farmacêutica Pós graduada em Farmácia Magistral


atendimentofreitas@yahoo.com.br
37695566



Comente esta Coluna