Silvio Lopes


ESTANTE



A estante oculta segredos. Então, já que não preocupa por demais nenhum deles, devo clamar por silêncio. Seja um silêncio breve, sem qualquer volúpia. Toda torpeza – descaramento, desvergonha, imoralidade – da alma que não desejo mostrar, que fique em depósito, aqui, comigo e mais ninguém. Gosto de orquestrar e degustar as almas vadias e mortas que desenho; que desenho em meus personagens inválidos, combalidos, e, nas frases mais calmas ou malditas que escrevo. Todas já nascem escroques – trapaceiras – e procuram refúgio no canto mais escuro. Clarice Lispector pudesse me ouvir escrevendo, seria delatora. Delatora de minha total desfaçatez. Voltaire com seu “Dicionário Filosófico” me permita escrever rimas imbecis e continuar patético.

Sílvio Lopes de Almeida Neto
Maio 19, 2020.



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Silvio Lopes, no dia 22/05/2020

Silvio Lopes de Almeida Neto


Advogado

silvioadvcrim@hotmail.com
(31) 9994-2807



Comente esta Coluna