Frei Tibúrcio


Frei 1470/2019



040 x Mart Minas
Chegou ao genuflexório da coluna a informação de que a Via 040 teria notificado o atacarejo Mart Minas por causa da situação caótica criada na BR 040. Segundo consta, o comércio deveria ter construído, antes da inauguração, uma passarela de pedestres, o que acabou não acontecendo. O objetivo, conforme apurado por este colunista, é evitar uma tragédia e não sofrer danos depois do acontecido. O Jornal CORREIO flagrou, no dia da inauguração, pedestres e ciclistas circulando pela pista, além de automóveis contornando a perigosa rodovia. O Mart Minas, por sua vez, até o fechamento desta edição, não havia respondido ao questionamento da coluna. A situação no local é complicadíssima.

Variante é o cacete
Bacana, muito bacana mesmo, ver a rapaziada pedir e mostrar projetos de construção de acessos e variantes na temível e mortal BR 040 para as autoridades de Brasília, como aconteceu nesta semana com o alcaide Hélio Campos, de Ouro Branco. Saturado e vacinado por esse tipo de notícia, este irascível abade se limita a suplicar, de mãos postas e de joelhos, apenas coisas simples, quando o assunto é a terrível BR. Queremos apenas que sejam construídas trincheiras na Barreira, no Paulo VI e no trevo de Queluzito, além de vias laterais nos 3 km da região da Barreira. Se a nova concessionária liberar isso e a duplicação pura e simples até o trevo de Ouro Preto, vamos soltar mil foguetes de 10 estálos. Portanto, caros leitores, qualquer outros pedidos que não sejam os citados aí em cima, só servem para atrapalhar ainda mais os projetos de melhorias da nauseabunda estrada.

Exemplo
O Hospital e Maternidade São José (HMSJ) vivia no buraco sem fundo e no lugar comum dos nosocômios prestes a falir. Ou seja, estava sempre de pires na mão e suplicava ajuda de quem quer que fosse. Os tempos mudaram, a gestão foi profissionalizada, as­sim como a mentalidade de diretores e conselheiros. O resultado é que o hospital cresce a passos largos e já vislumbra assumir o protagonismo na região do Alto Paraopeba. Um fenômeno de administração .

Que coisa
Enquanto isso, a situação do São Camilo é deveras preocupante. Nesta semana, a atual diretoria enviou nota oficial para o glorioso Jornal CORREIO, em que não negam a possibilidade de fechar literalmente as portas. A turma que administra o nosocômio deveria acompanhar de perto o que acontece no hospital São José. As situações são parecidas e o pires continua na mão. Falta, portanto, gestão e administração profissional. O São Camilo é tradicional, respeitado e muito importante para a cidade. Tá na hora de parar de reclamar, mudar a mentalidade e começar a agir. Oremos!

Bagunça
A proliferação de sites de notícias em Lafaiete tem levado a uma banalização sem tamanho das informações divulgadas. Os caras copiam as matérias até com os erros de português, sem dó nem piedade. Como o povo nunca foi bobo, o descrédito da classe está aumentando na mesma proporção em que os sites são criados e as matérias postadas. Vade retro “copia e cola’ indecorosos!

Agora vai
Depois de anunciado que a fiscalização do trânsito passará às mãos da Polícia Militar, espera-se uma ação mais efetiva da corporação contra essas motocas barulhentas e sem escapamento, que atormentam a cidade e, por tabela, a população. Em cada 10 lafaietenses, com todo o respeito, 11 são contra essas motos sem o miolo do escapamento. Alô, PM. Cadê vocês?



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Frei Tibúrcio, no dia 26/04/2019

Frei Tibúrcio


-


Comente esta Coluna