Esporte


Mexicano chegou ao campo na viatura policial



A histria da nica vitria do Meridional sobre o Atltico por 2 a 1 em 10 de maro de 1960, no estdio Antnio Carlos, no bairro de Lourdes em Belo Horizonte, parece que no tem fim. Conta a histria que Galo e Meridional jogaram 21 vezes com 16 vitrias do Galo, 4 empates e uma vitria do Tatu.
O relato dessa conquista histrica, a mais importante do Meri, o Tatu, no campeonato Mineiro de profissionais se resume em uma partida em que o Meridional saiu de Lafaiete para o jogo em BH, o nibus quebrou e os jogadores do time lafaietense chegaram na capital de carona, em carros e caminho e ainda venceu o Galo em Lourdes.
Mas apesar de j ter contado essa faanha diversas vezes nas mais de trs dcadas de jornalismo, ouvi recentemente mais um captulo que para mim ainda tinha mais um fato novo.
Em novembro passado, a equipe do Globo Esporte/MG compareceu ao Meridional  para a gravao da srie histrica ?Esquecidos do Mineiro?. A equipe do jornalista Guto Rabelo preparava o cenrio, conhecia um pouco mais da histria e enquanto isso tive a oportunidade de ouvir o Mexicano, o meio-campista daquela vitria mgica e ai descobri mais uma passagem.
Quis saber se o corao estava mais acelerado naquele momento e Mexicano confirmou: ?Um pouco emocionado e mais acelerado?, disse o craque.
Busquei a comparao daquele momento com um jogo contra o Atltico. ?Futebol diferente, no tem nada no. A gente entra com tranquilidade e no tem agitao. O ps-jogo, nas entrevistas costuma acelerar um pouquinho, falta costume?, emendou Mexicano.
Ento, quis saber o que havia acontecido naquele fatdico 10 de maro de 1960. ?Olha, deu problema no nibus ali perto da Lagoa dos Ingleses e a turma do Jardim e Filhos buscava cimento na Ita. O motorista viu a gente, parou e ?botou? todo mundo na carroceria, mas naquela poca tinha a barreira policial na chegada de BH e o motorista pediu para a gente descer. Fomos a p at o posto da Polcia Rodoviria Federal explicamos para o policial que se tratava da ?embaixada? do Meridional que ia enfrentar o Atltico e ele parava os carros e pedia a carona pra gente?, explicou o jogador.
Quis saber se algum pegou carona na viatura policial e Mexicano completou: ?Eu fui um e foi com sirene aberta uh uh uh?, descreveu ele. Fomos em trs na viatura. Chegando ao estdio vesti o calo e a camisa, peguei a meia e a chuteira e calcei no campo. Comeamos o jogo com dez, no me lembro quem faltou, mas ele chegou e completou o time?, detalhou Mexicano que nos agradeceu pela entrevista.




Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Esporte, no dia 15/02/2019


Comente esta Coluna