Colunas


Astra e Queiroz Júnior são campeões pela Aredesma



Além da boa relação com a imprensa, a Associação Regional de Desportos Más­ter (Aredesma) é, hoje, a entidade de maior representatividade no futebol da cidade. Mais uma vez, ela fez valer seu compromisso e responsabilidade perante a comunidade desportiva, fechando a temporada com mais dois campeonatos regionais - custeados pelos próprios atletas e equipes.
A decisão foi no ?Tabuleiro? da Chapada. Na preliminar, a vantagem do Astra/Mackenzie foi ampliada ainda no 1º tempo. Com a técnica habitual e ?rodando o jogo?, o time congonhense aproveitou-se do nervosismo vivido pelo Oriente e marcou seu gol. O artilheiro Xó recebeu pela direita, bateu forte e carimbou o travessão. A sobra ficou com Paulinho, na área, pela esquerda. Ele bateu de primeira, acertando o canto do goleiro Adelson e fazendo 1 a 0.
No segundo tempo, o Oriente não conseguiu mostrar seu melhor futebol. O As­tra/Mackenzie administrou, ficou com o título mais uma vez na categoria Sênior-60 e teve ainda Xó como artilheiro, com 17 gols marcados.

Máster-50

A missão do Carandaí era a de retomar a vantagem. Para isso, teria que vencer o segundo jogo. Mas foi o Queiroz Júnior quem ampliou a vantagem na cobrança de pênalti muito contestada pelos carandaienses. ?Assinalei o pênalti, porque a falta ocorreu sobre a linha da área?, explicou o árbitro Adriano Luciêniom em entrevista exclusiva ao Jornal CORREIO e a Rádio Cidade 98 FM. Como aprendido no curso de arbitragem, a linha que delimita faz parte da área. Portanto, foi pênalti. Paulinho Piriá foi para a cobrança, mandou na rede e dedicou o gol e o título ao filho, Ramon, que sempre o acompanha aos campos. 1 a 0 para o time de Gagé.
Com o resultado de duas vitórias, o Quei­roz Júnior foi o campeão Máster-50. Dinei, do Carandaí, foi o goleiro menos vazado.

?Fica, Nelsinho?

Devido aos fatos ocorridos nesta temporada, em especial, a questão da verba que foi prometida e usada apenas uma parte no primeiro semestre, além das dificuldades para a liberação de campos, o presidente Nelsinho Seve­riano está muito desanimado e anunciou que não pretende continuar à frente da Are­desma na realização do futebol máster para a cidade e região. A decisão gerou manifestação durante a entrega dos troféus e o grito de ?Fica, Nelsinho? foi entoado. ?O trabalho é grande. Tivemos que arrumar o som na última hora; que fazer a final aqui, no Aimoré, porque na Santa Matilde o mato estava alto. É tudo muito difícil?, reclamou Nelsinho.
Outro bastante chateado com uso indevido do nome da Aredesma é Lilinho Almeida. Em entrevista exclusiva ao Jornal CORREIO e Rádio Cidade 98 FM, Lilinho foi taxativo: ?Se, no ano que vem, for destinada alguma verba para nós, essa verba tem que vir direto para a conta da Aredesma. Nós somos uma entidade reconhecida como de Utilidade Pública municipal, estadual e, em breve, federal. Temos um nome a zelar. Que sejam R$10, mas se não vier direto, recusaremos?, reclamou Almeida, que junto com Nelsinho faz da Aredesma a entidade organizadora de competições mais respeitada na cidade e região. Devido a uma final merecer mais espaço, vamos publicar mais fotos e dados nas próximas edições. (Amauri Machado)


Escrito por Esporte, no dia 28/12/2018