Denúncia


São Sebastião: som do sino volta a incomodar



Mais uma vez, moradores da parte de baixo da cidade fizeram contato com este semanrio para se queixarem do volume do som emitido pelo relgio da Igreja Matriz de So Sebastio. Por e-mail, uma leitora desabafou: ?O som do relgio eltrico da Parquia So Sebastio est muito alto. Ligam s 5h da manh e sempre me acordam fora de horrio. Estou tendo problemas, como distrbios de sono e fadiga, e isso j est impactando no meu desempenho no trabalho e tirando minha concentrao nos estudos. Nem assistir a TV em paz ns podemos mais. J nos bastam os outros rudos que somos obrigados a ouvir?, reclama.

O Jornal CORREIO enviou novamente um ofcio para a Paroquia de So Sebastio. Em resposta, o padre Daniel Marcos Lima afirmou que j havia se posicionado anteriormente e no teria mais nada declarar sobre esse assunto: ?Caso os reclamantes queiram conversar conosco, estamos disposio para o dilogo?, escreveu.
Na resposta anterior, publicada h 4 edies, a Parquia havia afirmado que tem o direito de manter relgio funcionando: ?Informo que a polmica do relgio j foi resolvida. A Parquia de So Sebastio tem o direito de manter o relgio funcionando. O aparelho tem um temporizador que o desliga s 22 horas e o liga novamente s 6 horas da manh. Quanto questo do volume, afirmamos com certeza que ele no est acima do permitido. Contudo, estamos disposio dos interessados que quiserem nos procurar, a fim de reconferirmos os decibis das badaladas do relgio. Se ficar provado que est acima do volume permitido, faremos a correo, embora achemos que no ser o caso. Quanto possibilidade de interromper o funcionamento do relgio questo j discutida e decidida! Alm disso, vrias parquias de nossa cidade tm relgios como este em funcionamento. Dito isto, a partir de hoje no mais comentaremos sobre este assunto?.

As duas notas so assinadas pelo proco, padre Daniel Marcos Lima.



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Denúncia, no dia 14/11/2018




Comente esta Coluna