Denúncia


São Sebastião: som do relógio da Matriz é denunciado



Um problema que de tempos em tempos denunciado por leitores voltou a causar transtornos vizinhana do So Sebastio (zona oeste). Conforme reclama um morador do entorno, o relgio da igreja matriz de So Sebastio estaria operando com volume acima do desejvel. ?Aps um bom tempo sem estar na ativa, depois de ter vrios problemas ao longo dos anos com moradores e vrias reclamaes devido ao volume alto, a Parquia So Sebastio reativou o relgio e no mantm o volume baixo. Esse relgio vive com defeito e seu volume varia. Gostaria de solicitar s autoridades a medio do nvel de poluio sonora nesse local. No s eu, mas tambm pessoas que j moram aqui h muitos anos, sentem-se perturbadas no seu cotidiano e at ameaadas por outras que sentem a necessidade deste aparelho eltrico utilizado constantemente em volume alto. Quem trabalha de turno e mora aqui est proibido de continuar morando?, desabafa.

 

Parquia informa que tem o direito de manter relgio funcionado

?Informo que a polmica do relgio j foi resolvida. A Parquia de So Sebastio tem o direito de manter o relgio funcionando. O aparelho tem um temporizador que o desliga s 22 horas e o liga novamente s 6 horas da manh. Quanto questo do volume, afirmamos com certeza que ele no est acima do permitido. Contudo, estamos disposio dos interessados que quiserem nos procurar, a fim de reconferirmos os decibis das badaladas do relgio. Se ficar provado que est acima do volume permitido, faremos a correo, embora achemos que no ser o caso. Quanto possibilidade de interromper o funcionamento do relgio questo j discutida e decidida! Alm disso, vrias parquias de nossa cidade tm relgios como esse em funcionamento. Dito isto, a partir de hoje, no mais comentaremos sobre esse assunto. Agradecemos ao Jornal "Correio da Cidade " por nos dar essa oportunidade de esclarecimento?.

A nota assinada pelo proco, padre Daniel Marcos Lima.



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Denúncia, no dia 19/10/2018


Comente esta Coluna