Educação


Abaixe-se e escute as crianças



O mundo contemporneo no tem pacincia para ouvir crianas. Esse erro recorrente entre educadores e famlias. Ns somos incapazes de parar e nos abaixar para ouvir as crianas e conversar com elas, como indivduos. uma falta brutal de sabedoria. 
Nem precisa ser um admirador da famlia real britnica para observar a forma como o prncipe William e a duquesa de Cambridge Kate Middleton se preocupam com a criao dos herdeiros, George, 3 anos, e Charlotte, de 1 e quatro meses. Alm da escolha de uma escola Montessori para o menino, um detalhe no relacionamento entre pais e filho chamou a ateno na ltima semana: ambos se abaixam para conversar com o primognito.
Segundo a psicopedagoga Ivone dos Reis, eles utilizam a tcnica chamada ?escuta ativa?. O objetivo do mtodo, explica, ?transmitir o respeito a algum quando esse fala?. No caso de crianas, elas so tratadas de maneira igual ? o adulto no fica em uma posio superior ? para que se sintam realmente ouvidas. Segundo ela, um mecanismo para extrair tudo o que a pessoa tem para dizer, sem se sentir invadida ou ameaada.
? uma escuta de muita ateno, olhando sempre nos olhos da pessoa para que ela se sinta totalmente significante para quem a escuta. Saber escutar uma arte, pois a pessoa que escuta tem que ter tolerncia e respeito. E se colocar na situao da outra, para perceber qual a necessidade dela de relatar o fato. Seja qual for, sem ignorar ou julgar, mas ajud-la a achar uma sada para alguma situao?, afirma.
De acordo com a profissional de educao, quando a pessoa precisa ser ouvida h necessidade de reciprocidade de quem a ouve. Com os pequenos, a comunicao a melhor metodologia para descobrir as razes de uma birra, por exemplo. Para isso, alm de prestar ateno s palavras, necessrio que o cuidador tambm observe a linguagem no verbal. A impacincia, que resulta em gritos e castigos, ressalta, s gera medo.
?Isso s ir piorar e fazer com que a criana cresa usando estratgias de comando. A escuta tem que ser aplicada desde cedo. A partir do momento em que anda e fala, ela j entende que sempre ter algum disposto a ouvi-la, mesmo em situaes desconfortantes. Assim, ela aprender que para todas as coisas sempre h uma soluo. O dilogo e o respeito so o caminho para nossas atitudes, seja ela qual for?, enfatiza.
Ainda de acordo com Ivone, que trabalha h mais de uma dcada com alunos que tm algum distrbio ou dificuldade de aprendizagem, o maior erro de um adulto no tratar a criana como um indivduo. A partir dos 2 anos de idade, elas j demonstram mais personalidade e comeam a querer tomar decises. Portanto, precisam ser ouvidas.
?Temos que nos colocar sempre no lugar dessa criana e no interromper o que ela est falando. Sentir as palavras e as emoes dessa criana. O que mais nos auxilia no dia a dia para ajudar uma criana a mudar seu modo de pensar, agir, e ser mais segura de seus atos a escuta ativa?, finaliza.
A criana precisa ser ouvida, levada a srio e respeitada nas suas opinies. Homens e mulheres que no foram ouvidos e que no conviveram com adultos que confiassem no que falavam cresceram inseguros e dependentes, egostas e individualistas.  Por no conviverem com adultos capazes da ?escuta ativa?, inmeras deles se silenciam quando sofrem abusos sexuais, por exemplo. Crescem e continuam a perpetuar as mesmas mazelas do autoritarismo cultural.
No cabe concluir que legitimamos a permissividade e o filiarcalismo descabido. Os filhos precisam e gostam de limites, mas precisam e gostam de serem ouvidos e de merecerem a confiana e a ateno dos adultos. D pena ver, na rua, como muitos adultos so casca grossa; incapazes de ouvir de forma respeitosa outro adulto e, muito menos, as crianas.


Jos Antnio dos Santos
Membro da ACLCL e mestre pela UFSJ
Contato: joseantonio281@hotmail.com



Você está lendo o maior jornal do Alto Paraopeba e um dos maiores do interior de Minas!
Leia e Assine: (31)3763-5987 | (31)98272-3383


Escrito por Educação, no dia 02/08/2018


Comente esta Coluna